NovasdoDia » Turismo » São João da crise: festejos já estão sendo cancelados por falta de recurso

São João da crise: festejos já estão sendo cancelados por falta de recurso

A crise chegou no Nordeste de vez, o desgoverno e a incompetência do PT e dona Dilma conseguiram até prejudicar o festejo junino na região.

O derretimento da economia brasileira, a queda na arrecadação e a crise provocada pelos escândalos de corrupção na Petrobrás fizeram queimar na fogueira os recursos para que prefeitos do Nordeste possam organizar as tradicionais festas de São João, que se iniciam nas próximas semanas. No interior dos Estados, principalmente da Bahia, as festas juninas são o principal evento popular do ano, atraem turistas, movimentam as economias locais, geram empregos e garantem dividendos políticos para os prefeitos.

crise-sao-joao

“Ou eu pago a folha dos professores ou eu faço o São João. Não tem outra saída”, desabafa a prefeita de Cardeal da Silva, Maria Quitéria Mendes (PSB). Diante de crescentes dificuldades orçamentárias e da queda na arrecadação, a prefeita optou por uma decisão drástica: cancelou a festa programada para os 9,6 mil habitantes do município, localizado a 142 km de Salvador.

“As pessoas ficam indignadas com o prefeito, a culpa é sempre do prefeito, mas a conta não fecha, quando você arrecada menos e gasta mais com saúde e educação”, comenta Maria Quitéria, que preside a União dos Prefeitos da Bahia.

A mesma decisão foi tomada pelo prefeito Antônio Carlos Paim Cardoso (PT), do município de Amélia Rodrigues, para quem o São João é “supérfluo”, consideradas as atuais circunstâncias.

“O momento atual não é de fazer festa nenhuma, a gente tem de se precaver pra passar o ano e ver como vai ficar o andamento da economia”, diz o petista. Nas contas do prefeito, uma festa junina de médio porte não sai por menos de R$ 200 mil. “Essa despesa é um negócio impossível”, afirma.

Patrocínio. Uma das principais patrocinadoras das festas juninas na região Nordeste, a Petrobrás informou à reportagem que a “totalidade dos investimentos para o São João de 2015 e para o patrocínio cultural ainda estão sendo avaliados”.

Os prefeitos, no entanto, já dão como certo que a demora na liberação de recursos significa que não haverá dinheiro da empresa para bancar a festa desta vez. Em meio à crise com os desdobramentos da operação Lava Jato, a empresa já encolheu neste ano o patrocínio destinado ao carnaval baiano.

Em 2014, a estatal investiu R$ 7,7 milhões no patrocínio do São João de 130 municípios – 119 deles da Bahia, 3 no Rio Grande do Norte, 3 em Sergipe, 2 em Alagoas, 2 na Paraíba e 1 em Pernambuco. De acordo com a Petrobrás, desde o início do patrocínio ao São João, em 2005, a Bahia é o estado com o maior número de municípios contemplados.

Um dos municípios beneficiados no ano passado foi Uauá (BA), que tem São João como padroeiro. A cidade, conhecida como “a capital do bode”, decidiu fazer um São João mais enxuto em tempos de crise: em vez de dez dias de festança, a fogueira será acendida por apenas quatro.

“A Petrobrás podia tirar uma parte do dinheiro que levaram do esquema de corrupção e trazer pro São João do Nordeste”, diz o prefeito Olímpio Cardoso Filho (PDT). “Não temos para quem apelar.” Com a falta de apoio da Petrobrás e a dificuldade de obter outras fontes de patrocínio, o prefeito decidiu cortar gastos para fazer uma festa de R$ 100 mil.

No município de Nordestina, o São João da crise terá mais bandas locais e durará menos dias, informou o secretário de administração da prefeitura, Giovanni Oliveira. Em Mutuipe, a diminuição dos recursos do Fundo de Participação dos Municípios (FPM)e uma derrota na justiça por conta de um processo milionário envolvendo desapropriação de terras levaram a prefeitura a cancelar a festança – pelo terceiro ano seguido.

Em Candeias, até São Pedro atrapalhou. Castigado por fortes chuvas recentemente, o município decretou situação de emergência e cancelou por 90 dias todos os eventos festivos, inclusive o São João. Até o fechamento desta edição, a reportagem não havia obtido retorno do presidente da Bahiatursa, Diogo Medrado, empresa de turismo vinculada ao governo da Bahia.

Contraste. Se os pequenos municípios enfrentam uma série de dificuldades, os grandes ainda conseguem garantir a festa, ancorados na tradição e na obtenção de diferentes fontes de patrocínio. O São João de Campina Grande (PB), conhecido como o “Maior São João do mundo” ocorrerá de 5 de junho a 5 de julho e deve atrair 2 milhões de pessoas.

Em Caruaru (PE), a festa terá show de Elba Ramalho e homenageará o ex-governador Eduardo Campos, morto em acidente aéreo em 13 de agosto do ano passado.

Informações via Estadão

    APESAR DO SãO JOãO, A CRISE CONTINUA E BRASíLIA SEGUE AGITADA | JORNAL DA MAN ..

    Inscreva-se no canal de entretenimento da jovem pan: http://www.youtube.com/jovempanentrete entre no nosso site: http://jovempan.uol.com.br/ curta no ... APESAR DO SãO JOãO, A CRISE CONTINUA E BRASíLIA SEGUE AGITADA | JORNAL DA MAN .. São João da crise festejos já estão sendo cancelados por falta de recurso

    CRISE NãO AFETA MERCADO IMOBILIáRIO DE SãO JOãO DA BOA VISTA

    O mercado imobiliário, um dos setores mais aquecidos da economia vive agora um período de esvaziamento, silêncio e desemprego, mas na cidade isso não ... CRISE NãO AFETA MERCADO IMOBILIáRIO DE SãO JOãO DA BOA VISTA São João da crise festejos já estão sendo cancelados por falta de recurso

    CRISE NO BRASIL APóS DENúNCIAS CONTRA MICHEL TEMER / MULHER SE ASSUSTA COM BOM ..

    Entrepontes - 19/05/2017 novidades da crise no brasil desde as denúncias de corrupção contra michel temer e o ex-senador aécio neves são destaque do ... CRISE NO BRASIL APóS DENúNCIAS CONTRA MICHEL TEMER / MULHER SE ASSUSTA COM BOM .. São João da crise festejos já estão sendo cancelados por falta de recurso

    Tudo sobre São João da crise festejos já estão sendo cancelados por falta de recurso, vídeo, áudio, fotos, senha, como desbloquear, preço, agenda, qual melhor ponto, pelada, transmissão ao vivo e promoção.

Um comentário

  1. Considero incompetência geral, imaginem o salário mínimo na mão de um trabalhador com família, não tem que sobreviver ? pensem nos altos valores que chegam nas prefeituras e governos, se não houvesse corrupção. Dá sim, aprendam fritar o porco com a própria banha até as coisas melhorarem, e deixem de maledicências, será que querem nos passar também diploma de burro, ou temos que acreditar apenas no que está escrito ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *