NovasdoDia » Fiat » Fiat Mobi Way 2017: versão mais cara da linha, veja preços

Fiat Mobi Way 2017: versão mais cara da linha, veja preços

mw2

Um mês e meio após o lançamento, o subcompacto Mobi teve um começo de vendas abaixo das expectativas, com 2.407 unidades em maio. A Fiat lançou agora a versão aventureira, Mobi Way, com a missão de tentar melhorar o desempenho comercial do carro.

É a versão mais cara da linha: custa a partir de R$ 39.300, ou R$ 43.800 na configuração Way On. Apesar do preço elevado (e de não oferecer nem rodas de liga leve de série, no modelo mais barato), a montadora espera que a nova versão represente cerca de 40% da gama Mobi.

De acordo com o diretor Carlos Eugênio Dutra, o Mobi Way deverá estar nas autorizadas neste final de semana. Com ele, o executivo estima que gradualmente as vendas do subcompacto alcancem 4 mil unidades nos próximos meses.

Versões aventureiras normalmente são bem recebidas pelo público, e a Way traz mudanças visuais como rack no teto, molduras nas caixas de rodas, para-choques redesenhados e identificação na base da tampa traseira de vidro. Além disso, a suspensão foi elevada em 15 milímetros, e a dianteira ganhou barra estabilizadora. O componente tem a função de compensar o aumento de inclinação lateral em curvas, motivado pela elevação da carroceria.

Internamente, há nova padronagem de bancos, e, na Mobi Way On, console no teto (com porta-óculos e retrovisor embutido), além de painel com detalhes em preto brilhante.

Ao contrário de outros modelos aventureiros da própria Fiat, que trazem pneus diferentes das versões normais, o Mobi Way vem equipado com pneus 175/65 R14 idênticos aos do Mobi Easy e Like (as outras duas versões do modelo). A razão, de acordo com Carlos Eugênio Dutra, é que, no momento da troca de pneus, o dono do carro tende a comprar modelos normais, que são mais baratos que os de uso misto.

mwiDurante o test-drive, que incluiu asfalto de boa qualidade, pavimentação ruim e estradas de terra, o Mobi mostrou qualidades e defeitos. A suspensão macia e mais alta absorve bem as irregularidades do solo, e o carro mostrou bom comportamento na terra. De acordo com o diretor de engenharia da Fiat, Claudio Demaria, o curso de suspensão foi elevado em 10 mm. Com isso, reduz-se a possibilidade de solavancos em caminhos ruins, por deixá-lo mais macio.

O motor, no entanto, continua a ser o 1.0 Fire de quatro cilindros, que gera 75 cavalos com etanol e 73 cv com gasolina. Como o torque é contido (9,9 mkgf com etanol), basta aparecer um leve aclive pela frente para o carro de 940 quilos perder ímpeto. Os ponteiros de conta-giros e velocímetro caem abruptamente, o que exige reduções de marcha constantes. E isso porque o teste foi feito apenas com motorista. Se estiver com mais gente e carga, é certo que o sofrimento do motor será maior. O propulsor de três cilindros, que poderia colocar o Mobi em pé de igualdade com o VW Up!, por exemplo, ainda não tem data para chegar.

Falando em mais pessoas e carga, chegamos a outra deficiência do Mobi: o espaço no banco traseiro é bem restrito. As portas de trás têm bom ângulo de abertura (superior a 70 graus), mas o problema não está no acesso ao carro, e sim na acomodação. Caso o motorista seja alto, vai ser difícil alguém conseguir espaço atrás dele sem raspar os joelhos no encosto do banco. Além disso, o porta-malas (215 litros) é muito pequeno, o que faz do subcompacto um carro urbano, apenas.

A direção hidráulica é menos precisa que a elétrica de seu concorrente direto, o VW Up!. Quanto ao câmbio, é comum o motorista raspar a mão na parte inferior do painel, onde ficam os controles do ar-condicionado.

O acabamento é razoável. O uso de materiais plásticos com desenhos diferentes no painel disfarça a simplicidade. O banco do motorista tem regulagem de altura, assim como a coluna de direção. As aletas de saída de ar transmitem sensação de fragilidade, porque são muito maleáveis. Além disso, as saídas centrais são retangulares, e não têm muita harmonia com as laterais, circulares.

Uma das maiores sacadas do modelo – que é a transformação do smartphone do usuário em sistema multimídia – teve sua chegada adiada para o mês que vem. O dispositivo estava prometido para este mês, mas, de acordo com Carlos Eugênio Dutra, houve alguns problemas (“bugs”) com a adaptação do sitema iOS (da Apple).

Principais itens de série e opcionais:

Série: ar-condicionado, direção hidráulica, chave canivete e computador de bordo.

Opcional: sistema de som com comandos no volante, Bluetooth e entradas USB e auxiliar.

Mobi Way On

Série: rodas de liga leve aro 14, console no teto, retrovisores elétricos, som com comandos no volante, Bluetooth e entradas USB e auxiliar, rodas de liga leve e sensor de obstáculos (não há opcionais).


    AVALIAçãO FIAT MOBI WAY ON

    Avaliação completa da versão "aventureira" do fiat mobi, batizada como way on. confira em nosso teste como se comporta o compacto da fiat em nossa ... AVALIAçãO FIAT MOBI WAY ON Fiat Mobi Way 2017 versão mais cara da linha, veja preços

    TESTE FIAT MOBI WAY ON, COM EMILIO CAMANZI

    Teste feito por emilio camanzi no fiat mobi way on, no percurso cidade estrada, em belo horizonte, mg. ficha técnica e lista de equipamentos, você ... TESTE FIAT MOBI WAY ON, COM EMILIO CAMANZI Fiat Mobi Way 2017 versão mais cara da linha, veja preços

    FIAT MOBI WAY TAMBéM APOSTA EM AVENTURA

    Versão tem suspesnão mais alta. FIAT MOBI WAY TAMBéM APOSTA EM AVENTURA Fiat Mobi Way 2017 versão mais cara da linha, veja preços

    Tudo sobre Fiat Mobi Way 2017 versão mais cara da linha, veja preços, vídeo, áudio, fotos, senha, como desbloquear, preço, agenda, qual melhor ponto, pelada, transmissão ao vivo e promoção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *