Home » Mercado » Dívidas: com medo do desemprego consumidor está fugindo de financiamento e optando por empréstimo no cartão

Dívidas: com medo do desemprego consumidor está fugindo de financiamento e optando por empréstimo no cartão

Alguns dizem que a crise está só começando, é o que acham o mesmo boa parcela dos consumidores, com medo do desemprego, o consumidor está fugindo de financiamentos e partindo para operações de crédito que não envolvem pagamento de juros.

É esse o cenário mostrado por dados de agosto divulgados neste mês pelo Banco Central: juntas, as operações no cartão de crédito parceladas sem juros e à vista somaram R$ 62,9 bilhões, alta de 11,6% em relação ao mesmo mês do ano passado.

Elas já representam 42,3% dos novos empréstimos pessoais totais, percentual que era de 39,4% em agosto de 2015. Os números do BC, que englobam essas duas operações em uma categoria (cartão de crédito à vista e cartão parcelado sem juros), ainda mostram ela foi a única a ter crescimento acima da inflação oficial quando a base de comparação é agosto do ano passado. A variação de preços no período foi de 8,7%.

“Há uma reversão do que ocorreu há 15 anos, quando as pessoas estavam sedentas por crédito. Hoje, o pensamento é: aquilo que dá para comprar, pago à vista ou no parcelado sem juros”, afirma Luiz Rabi, economista da Serasa Experian.

Os novos empréstimos de cheque especial, por exemplo, subiram somente 2,8% em relação ao ano passado, segundo o BC. O cartão de crédito rotativo caiu 4,9% no período, e o montante gasto no cartão de crédito parcelado com juros recuou 18,6%.

Os números da Abecs (Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços) confirmam a tendência de aumento das modalidades sem juros.

Além do crescimento no cartão à vista e parcelado sem incidência de juros, a entidade registrou aumento de 13% nas transações com cartão de débito no primeiro semestre.

COMO COMPRAR COM CARTÃO DE CRÉDITO NO PARAGUAI

Para proteger o mercado nacional, em 2014 o governo subiu mais o imposto sobre operações financeiras (IOF) para compras no exterior com cartões. O IOF que era 0,38% saltou para 6,38%.

Um absurdo, né? Bom, isso quer dizer que qualquer compra sua ficará quase mais 7% se você comprar via cartão.

Veja o exemplo.

ProdutoDólarRealImposto (IOF)Valor do produto no Brasil
Canon 70 DUS$ 1.090,00R$ 3.084,00R$ 196,76R$ 7.000,00

Se você for comprar no Paraguai com dólar pagará exatos U$ 1.090,00; se for comprar com cartão de crédito pagará mais o imposto de quase R$ 200 apenas por este produto.

SOBRE A TAXA CAMBIAL: Você sabia que a taxa cambial da sua operadora não é a taxa diária? Pois é, a sua administradora do cartão de crédito usa a taxa de câmbio do dia do vencimento da sua fatura. Quer dizer, nunca se sabe qual será a taxa usada. E como o dólar está flutuando bastante, pode ser que você pegue um câmbio ainda mais desfavorável.

Sendo assim, se você for usar um cartão é melhor o pré-pago, os famosos travel money. Apesar de a alíquota ser a mesma para as duas operações, você poderá conseguir cotações mais baratas no cartão pré-pago dependendo da corretora de câmbio, o que não é possível no cartão de crédito.

NOSSA DICA AINDA É: compre com dólar! Você vai notar que mesmo com o dolar alto, ainda vale a pena comprar no Paraguai. Veja o nosso exemplo, a câmera no Brasil custa R$ 7.000,00. Uma economia de R$ 3.976,00.

Ah, pesquise antes de sair de casa. Compre os produtos em lojas certificadas e que apresentam garantia e nota fiscal.

Quer vir para o Paraguai fazer suas compras e de quebra conhecer as Cataratas do Iguaçu e passar dias incríveis em Foz? Mande sua solicitação de orçamento via comentário e não esqueça de deixar seu telefone e e-mail, para que possamos entrar em contato.

Como anda o mercado imobiliário e a economia, tudo sobre a bolha imobiliária, ranking de empresas, gastos, publicidade, etc.

    O MEDO DO DINHEIRO - QUITO UMA DíVIDA E FAçO OUTRA

    Educação financeira e coaching. [cursos, palestras e treinamentos] site oficial: http://www.coachfinanceiro.com/ facebook: ... O MEDO DO DINHEIRO - QUITO UMA DíVIDA E FAçO OUTRA Dívidas com medo do desemprego consumidor está fugindo de financiamento e optando por empréstimo no cartão

    MEDO DAS DÍVIDAS? ENTENDA COMO SE LIVRAR DESTE MEDO QUE TE PARALISA.

    Pensamentos sabotadores: pavor de atender o telefone pois sabe que é cobrança; manter um estilo de vida do passado por medo de passar vergonha; ... MEDO DAS DÍVIDAS? ENTENDA COMO SE LIVRAR DESTE MEDO QUE TE PARALISA. Dívidas com medo do desemprego consumidor está fugindo de financiamento e optando por empréstimo no cartão

    LIVRANDO-SE DAS DíVIDAS HD - JOYCE MEYER EM PORTUGUêS

    Tema desta mensagem: livrando-se da dívidas - joyce meyer em português ajude alguém compartilhando no watsapp e facebook link deste vídeo: ... LIVRANDO-SE DAS DíVIDAS HD - JOYCE MEYER EM PORTUGUêS Dívidas com medo do desemprego consumidor está fugindo de financiamento e optando por empréstimo no cartão

    SEM DíVIDAS E SEM MEDO - WANDERLEY NUNES

    Wanderley nunes aponta para tudo o que jesus fez por sua vida e morte. o evangelho nos diz que não há mais dívidas, logo, o medo da condenação não ... SEM DíVIDAS E SEM MEDO - WANDERLEY NUNES Dívidas com medo do desemprego consumidor está fugindo de financiamento e optando por empréstimo no cartão

    BRASILEIROS ESTãO COM MEDO DAS DíVIDAS

    Para quitar as pendências muitos tem optado por negociar com os credores ou até mesmo fazer “bicos”. BRASILEIROS ESTãO COM MEDO DAS DíVIDAS Dívidas com medo do desemprego consumidor está fugindo de financiamento e optando por empréstimo no cartão

    Tudo sobre Dívidas com medo do desemprego consumidor está fugindo de financiamento e optando por empréstimo no cartão, vídeo, áudio, fotos, senha, como desbloquear, preço, agenda, qual melhor ponto, pelada, transmissão ao vivo e promoção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Não deixe de ver isso

Valor de isenção do Imposto de Renda em 2017 pode chegar a R$ 8 mil

O governo Temer que anda despencando sua popularidade, pretende aumentar a faixa de renda isenta de Imposto de Renda (IRPF).