NovasdoDia » Fiat » Crise automotiva: Fiat coloca 12 mil funcionários na rua em julho

Crise automotiva: Fiat coloca 12 mil funcionários na rua em julho

Crise parece nem perto de acabar, a montadora Fiat dará férias coletivas de dez dias em sua unidade de Betim (MG) a partir do dia 1º de julho. O recesso afetará trabalhadores da produção e da área administrativa, envolvendo, portanto, cerca de 12 mil funcionários. Esta será a terceira vez que a montadora para em 2015.

A primeira interrupção ocorreu no início do ano e afetou 4 mil funcionários. Neste mês de junho a unidade de Betim passou por uma parada técnica (para manutenção) entre os dias 8 e 12. A fabricante alega necessidade de ajustar a produção à demanda atual.

De janeiro a maio, a empresa teve 200 mil veículos (automóveis e comerciais leves) emplacados. O número é 31,3% menor que o registrado nos mesmos cinco meses de 2014, quando 291 mil unidades Fiat zero-quilômetro foram licenciadas. Como comparação, o mercado total de automóveis e comerciais leves recuou 20% neste mesmo período.

Com informações via automotivebusiness

    COMO TROCAR VáLVULA TERMOSTáTICA E SENSOR DE TEMPERATURA

    Olá amigos eu não sou um profissional em tudo , mas gostaria de compartilhar com vocês as minhas descobertas que me ajudam a fugir dessa crise. desde ... COMO TROCAR VáLVULA TERMOSTáTICA E SENSOR DE TEMPERATURA Crise automotiva Fiat coloca 12 mil funcionários na rua em julho

    ELIMINANDO BARULHO DA PORTA

    Olá amigos eu não sou um profissional em tudo , mas gostaria de compartilhar com vocês as minhas descobertas que me ajudam a fugir dessa crise. desde ... ELIMINANDO BARULHO DA PORTA Crise automotiva Fiat coloca 12 mil funcionários na rua em julho

    TONELLA - CILINDRO MESTRE - DIAGNOSTICO, TROCA E REPARO 1/3

    Aprenda como diagnosticar falhas no cilindro mestre, e como troca-lo com poucas ferramentas. veja ainda como eram feitos os reparos no cilindro mestre, ... TONELLA - CILINDRO MESTRE - DIAGNOSTICO, TROCA E REPARO 1/3 Crise automotiva Fiat coloca 12 mil funcionários na rua em julho

    Tudo sobre Crise automotiva Fiat coloca 12 mil funcionários na rua em julho, vídeo, áudio, fotos, senha, como desbloquear, preço, agenda, qual melhor ponto, pelada, transmissão ao vivo e promoção.

Um comentário

  1. Marcelo Pedro Lima

    Pela terceira vez neste ano, a Anfavea apresenta novas projeções de vendas de veículos para 2015, desta vez, prevendo queda de 20,6% com relação ao ano passado. É a segunda vez em cinco meses que a entidade revisa para baixo as previsões de licenciamentos, cujo volume não deve ultrapassar as 2,77 milhões de unidades, entre veículos leves e pesados. Se confirmado, este volume fará com que o mercado interno retorne a um patamar ainda mais baixo que o de 2008, a última vez em que se registrou vendas inferiores a 3 milhões de unidades, na casa dos 2,82 milhões de veículos novos. Vale lembrar que naquele ano o cenário econômico havia sido impactado pela crise financeira internacional, especialmente no último trimestre, tradicionalmente o mais aquecido no Brasil.

    Uma segunda revisão das projeções ao mesmo tempo em que é a terceira estimativa oficial para o ano, tudo isso em apenas cinco meses, mostra a postura preocupada da entidade com o cenário atual. No início deste 2015, ainda em janeiro, as montadoras haviam projetado estabilidade com relação ao ano anterior, quando os emplacamentos somaram 3,49 milhões de unidades. Após um primeiro trimestre conturbado, com atraso em regulamentação das novas condições do Finame PSI para financiamento de veículos pesados, além de uma constante baixa dos emplacamentos de leves, a entidade revisou as vendas para baixo pela primeira vez. Naquela ocasião, ainda previa pouco mais de 3 milhões de unidades, com queda de 12,3% para leves e de 31,5% em pesados.

    – Veja aqui os dados da Anfavea.

    Contudo, o balanço dos primeiros cinco meses do ano revela um mercado ainda mais devagar que o previsto, o que forçou a entidade a revisar as previsões mais uma vez. Para o segmento leve, que inclui automóveis e comerciais leves, as montadoras esperam queda de 19,5%, para 2,68 milhões de unidades contra as 3,33 milhões de unidades entregues no ano passado. Já para pesados, a previsão é ainda mais amarga: a queda deve chegar aos 41%, segundo a Anfavea, com um total de 97 mil unidades, entre caminhões e ônibus (leia aqui).

    Dados da Anfavea sobre o acumulado entre janeiro e maio mostram que as vendas diminuíram 20,9% no comparativo anual, passando de 1,39 milhão para 1,1 milhão de unidades. Já no comparativo mensal, os licenciamentos de maio ficaram 3% e 27,5% abaixo dos volumes de abril deste ano e de maio do ano passado, respectivamente, marcando este como o pior maio desde 2007.

    “Nosso desempenho em maio ficou bastante aquém do esperado”, desabafou Luiz Moan, presidente da Anfavea, durante a divulgação dos resultados na segunda-feira, 8, em São Paulo. Ele destacou que o contínuo rigor na seletividade para concessão de crédito ainda dificulta as compras. “Conforme o último dado que temos em mãos, que é de abril, o saldo de financiamentos caiu 6,1% sobre mesmo mês de 2014, ao mesmo tempo em que o volume de novos financiamentos recuou 14,3% na mesma comparação”, informou, acrescentando que a inadimplência segue em queda, com 3,87% em abril. “Há um ano, este índice era de 4,96% e se olharmos para abril de 2013 e 2012, era superior a 7%. Isso também reflete a maior seletividade de concessão”, disse.

    Ainda citando dados de abril, ele admitiu que os atrasos dos pagamentos entre 15 e 90 dias, que é usado como termômetro para prever a inadimplência, estão aumentando. “Isso faz com que os bancos se tornem mais seletivos, afetando ainda mais nossos licenciamentos.” Moan disse ainda que o nível da confiança do consumidor também abalou o desempenho das vendas em maio. “O nível da confiança teve uma redução bastante forte. Ainda não temos condições para prever recuperação, uma vez que as regras do ajuste fiscal não foram todas estabelecidas.”

    ENTRAVES

    O que poderia representar certo alento em meio às dificuldades do mercado se tornou entrave para o segmento. Moan explica que a nova regra de retomada do bem no caso de atraso do pagamento em financiamentos ainda não surtiu qualquer efeito. Segundo o executivo, a lei está publicada, mas algumas contestações impedem o andamento dos trâmites. “É necessário aguardar os julgamentos dessas contestações para que o sistema financeiro tenha mais segurança na sua aplicação [da retomada].”

    Por outro lado, Moan argumenta que o momento atual é conjuntural, o que não impacta no nível de investimento das montadoras no País. “Ninguém faz investimento pensando no curto ou mesmo no médio prazo. Um estudo interno que fizemos aponta que em 2034 o mercado interno terá capacidade para 7 milhões de unidades por ano. O nível de motorização do País é um dos mais baixos do mundo, revelando um potencial de forte crescimento. Acredito que os níveis devem voltar conforme o aumento do PIB per capita.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *